terça-feira, 24 de janeiro de 2006

Florescimentos

Não sei exatamente quando mudo, quando algo se transforma em mim. Sei que em algum momento, por volta dos 25/26 anos, fiquei mais lento, mudei o rumo do passo, e foi uma mudança profunda. Tenho um fascínio por este tema, o da lentidão, da mudança, e gosto de reparar nos outros, nas pessoas que quero bem, gosto também de ver quando uma cidade muda, quando uma paisagem se modifica, é meu fascínio.

Não sei exatamente quando, mas um dia descobri que minha tia Flocely tinha envelhecido. Foi um momento em que ela dobrou a esquina.

Não sei quando a gente deixa de amar uma pessoa que era tão importante, era fundamental, era "tudo" para o desejo, para alma, para o coração, para o espírito. Mas há um momento, e esse é o mistério, em que o amor também dobra uma esquina. Dobrei algumas.

Nas longas conversas com o meu velho e bom amigo Gustavo, ele me falou sobre a importância de "dobrar esquinas", de seguir buscando o seu caminho, cheio de tantos percursos lindos.

Não sei quando, mas olhei para a minha profissão, de jornalista, percebi que estava reproduzindo coisas, que não queria aquilo, e mudei o rumo. Dobrei a esquina, arrisquei um novo começo, e me sinto feliz por isso.

Estou em Brasília e acho que algo vai se modificando, por aqui. Eu, que sempre olhara a cidade com a visão política, como o "centro do poder", mudei meu olhar. Ela continua sendo o centro do poder, onde a grana rola e destrói coisas belas, mas... deus do céu, como essa cidade tem árvores lindas, jardins bem cuidados, flores por todos os lados.

Nas minhas caminhadas com Gustavo, ele me contou que aqui existe um funcionário público com a seguinte função: "Podador de árvores".

Que profissão delicada e bela, pensei. Saber exatamente onde pode cortar os galhos, sem ferir a essência, sem matar.

Na vida, às vezes a gente faz a poda, mas mata a planta, mata um amor, mata uma amizade, cortando mais do que devia.

Quantos não fazem também a poda de si com tanto exagero, que não floresce a tempo?

Acho que dobrei mais uma esquina, e já não sou o mesmo.

Floresçamos, pois, floresçamos de norte a sul de nós mesmos, enquanto há tempo.

28 comentários:

Anônimo disse...

mesmo sabendo que esse é um espaço politicamente correto, para comentários líricos da muitas mulheres apaixonadas pelo autor, só posso concluir após a leitura dessa crônica que Samarone deu pra dar a bunda em Brasília. O que é que você acha João Valadares?

Anônimo disse...

Mai frescoooooooo.....
é tudo que tenho a declarar
João Valadares

Anônimo disse...

E se ele deu a bunda. Eu vou dar tambem. Pra ve se eu viro a esquina e saio desta rua de merda que eu moro. Abarcos a todos.

Anônimo disse...

Escreve sobre a night de Bsb, qual a diferença daqui de Recife?
Beijos e volta logo amado

Anônimo disse...

Esse João Valadares é o mesmo que escreveu aquela apresentação maravilhosa do livro estuário? não acredito que seja o mesmo. Que ele seja tão insensível. A crônica tá linda sama. Isso é coisa de gay enrustido. Liga não.
Uma admiradora que tá pertinho de vc!

Anônimo disse...

florescer e dobrar a esquina... sei não, Sama, véio, mas prefiro cultivar a fama de insensível.

Inácio

samarone disse...

não imaginava que um texto sobre florescimentos e dobras de esquinas fosse mexer tanto com o universo masculino.
amanhã escreverei sobre oficina mecânica, as cotoveladas no futebol e a importância do jumento no sertão.
rararara, isso aqui está muito divertido.
sama

Andreia Santos disse...

Bravo!!!!

Anônimo disse...

florescer e dobrar a esquina foi foda .... vamos ser bonzinhos e chama lo de METROSEXUAL...hahhahah

Anônimo disse...

Mas isso aqui está muito engraçado!Confesso que adoro o "mai fresco" do Valadares, que nem conheço, porém o "mai fresco" dele, não foi o primeiro e, se Deus quiser, não será o último.Que Sama possa 'florescer sempre, dobrando as esquinas' para que tenhamos pérolas desse tipo aqui.Manda logo, Sama, tuas "besteirinhas" sobre as cotoveladas de futebol, o jumento do sertão e, quiçá, os de Brasília também.Beijos! Magna.

Anônimo disse...

Como é dobrar a esquina logo em BSB que é uma cidade que "nao tem esquinas"?

Anônimo disse...

o correto seria falar pegar a tesourinha, que tem demais na cidade. esquina realmente não há

KikaLS disse...

Brasília tá dando a maior inspiração,hein?! Cuidado para não ficar por aí.
Sama,lê o comentário no
"Fundamentais atos desimportantes".
Só agora consegui escrever.

Aline Moraes disse...

Oi mãe da Lídia hehehe, Sra. Ana.
Primeiramente gostaria de agradecer por acessar meu site www.tudopede.com , fico feliz que tenha gostado!
Muito interessante o seu blog...pretendo ler ele todo com mais calma.

Beijão

Ana disse...

Ops!
Sama
O comentário da Aline Moraes era pra estar, modestamente, no meu blog...
A "sra" Ana sou euzinha... A confusão foi porque tenho um link pro Estuário no post onde a Aline queria comentar.
Tenho acompanhado as tuas viagens, como sempre! E viajado junto!
Beijos!

tiger disse...

tiger

Anônimo disse...

"Florescer", "dobrar a esquina" , "função do jumento": que tanta viadagem é essa !!!

Querido Sama, escuta um conselho de um tricolor amigo e preserva mais tua intimidade e as mudanças "naturais" da vida.

Este tipo revelações num texto publico-literario obviamemte iria gerar os comentarios expostos: furor/desconfiança nos homens e desapontamento no teu fiel eleitorado feminino.

No mais, segue em frente que eu vou atrás.

Abraços a todos,

Paulinho (que não é o da viola).

Anônimo disse...

O texto é lindo!!! Vejo que os homens além de historicamente machista, são maldosos mesmo. Não tem a menor sensiblidade, incapazes de ler algo tão poetico e verdadeiro. Os comentários maldosos e as críticas são dispensados. Sama, o publico feminino te adora. Bando de homens mal resolvidos e mal amados!!!

Anônimo disse...

É melhor ser mal amado do que bem viado.

Samarone cuidado para não pegar a reta nem escorregar na curva depois de dobrar a esquina.

do amigo Totonho (de Casa Amarela)

Anônimo disse...

rs KKKK
Pelo que vi aqui, estou em dúvida se o Samarone está no estágio do Chico Buarque, que conseguiu adentrar no universo e sensibilidade feminina, e usa disso para pegar todas. Ou se adentrou neste universo e adquiriu tal sensibilidade que entrou no estágio Clóvis Bornay, he he he he.

Anônimo disse...

Tem muito gay enrustido por aí... e não é o caso do Sama, posso dizer isso com toda propriedade!!! ele pode dobrar a esquina que quiser! Aos homens que nada sabem do universo feminino: fodam-se!

Anônimo disse...

Por tras de todo machista, mora uma bicha louca querendo se mostrar, soltar a franga. Se fazem de machão, mas na verdade...
Deixem o Sama em paz!!!

samarone disse...

Só posso dizer que estou me divertindo muito com esses comentários. Até o falecido Clóvis Bornay apareceu por aqui. Bem, vou tratar de escrever uma crônica nova, que é melhor.
Samarone

Thelma disse...

Fico impressionada com a pobreza e a ridiculez de certos leitores. Eu adorei o texto que tu propoes florescer e dobrar esquinas! Uma sensibilidade que os broncos nao captam e por isso fazem estas brincadeiras bestas e ordinárias. Liga, nao! Tu és dez!!!

Anônimo disse...

Sama, "dobrar esquinas" é um texto ótimo; Sensível e divertido. Viva a livre interpretação de cada um. Diversão para todos parece que foi o resultado final. Acho que esta crônica bateu o recorde de comentários dos leitores. Agora escreve sobre as oficinas, futebol e jumentos. he he he.Estamos aguardando. Abraço do mano PH

Inácio Franca/Samarone Lima disse...

SOBRE A VIADAGEM DO MEU PARCEIRO DE BLOG

Na expectativa do texto sobre jumentos e oficinas, quero tornar público meu espanto com a sensibilidade da alma feminina que mandou um indgnado FODAM-SE os homens num comentários acima. Realmente, um raro exemplo e delicadeza e doçura.
Nesse mesmo comentário, a moça (sensível, delicada e certamente apaixonada) revela que pode atestar a heterossexualidade de Samarone. Ou seja, o cabeludo comeu.
Poderia até concordar com ela, pois há cinco meses produzindo o BLOG DO SANTINHA com ele, nunca fui assediado pelo próprio, mas isso não quer dizer nada, pois a gente traça os planos de publicação sempre on-line e só nos vemos no estádio, onde tem muita gente e ele não teria coragem para bolinar ninguém.

Ana Beatriz disse...

Atenção, mulheres! Os homens também gostam de brincar entre eles, porém, de uma forma diferente. Odeio machismo, mas o feminismo também é alvo deste mesmo sentimento. Enfim, curtam mais o blog, sejam menos preconceituosas. Quanto aos rapazes, só porque o cara "dá um pouquinho de ...", vocês dizem logo que é veado.
Beijos, Sama, te adoro!

Anônimo disse...

Sama,
prometeu, agora cumpra. Cd a crônica sobre os jumentos e a oficina mecânica? He he he
Abração.