segunda-feira, 30 de outubro de 2006

Um dia de votação em Fortaleza

Diretamente de Fortaleza, no Ceará.

Vim a Fortaleza com uma missão clássica: votar em Lula. Cheguei apenas com a cópia da justificativa do primeiro turno e a esperança de botar o 13 e depois o "confirma".

As coisas, para algumas pessoas, são mais difíceis. Amanheci o domingo com os amigos no jardim, saboreando a deliciosa Ypióka, enquanto a dona Ermira, que vem a ser minha mãe, preparava um cozidão. Água no jardim, cachaças e os petistos da mamma. O sujeito vai querer mais o que da vida? Eu queria mesmo era que Lula desse uma lapada.

No final da manhã, tia Lourdes, moradora aqui da frente, foi votar no Maracanaú. É como se uma senhora de 73 anos decidisse votar no Cabo, só para não perder o voto. Fui com o Neto. Na entrada, vem um velhinho.

"São dois votos de coração: no primeiro, e no segundo turno. Deixei o rosto dele aparecer para olhar ele direitinho e dizer - é você mesmo", me contou um velhinho. Usava um adesivo de Lula.

Tia Lourdes votou a jato. Voltamos com as bandeiras tremulando. Não sei como foi no Recife, mas Fortaleza estava toda vermelha.

À tarde, saí com o Pepo, Neto, Roncalli e meu irmão, o Tonho, para votarmos. Minha mãe já tinha votado em Lula. Com o dela, o de tia Lourdes, eu e meus amigos, Lula já começou o dia com sete votos. Depois vieram outros milhões. Minha irmã, Mônica, foi de Alkmim. Aqui, só chamavam ele de "Àlcool em mim".

Na primeira escola, onde estava meu título de eleitor, informaram que tinham mudado a secção. Fomos para outra. Comecei a entrar em dezenas de secções, e nenhuma tinha meu nome. Fomos para outra escola. Tinha uma faixa na frente:

"Mudamos para o Círculo Operário".

Eita, foi lá que aprendi datilografia: asd asd asd asd asd

O Pepo também lembrou da escola, e até da professora. Eu e o Pepo viramos jornalistas. Viva o curso de datilografia do Cículo Operário! A professora, creio, se chamava Miriam.

No Círculo Operário, bati todas as secções. Estava desistindo, quando o Pepo sentenciou:

"É aqui que tu vota".

Na última sala, o milagre. Meu nome estava lá. Foram quase vinte secções percorridas por este jovem que vos fala. Apertei o 13, vi o barbudo, esperei um pouco e confirmei.

Depois andamos pela cidade e derrubamos mais dois litrinhos, no Jardim. À noite, a festa foi na Avenida da Universidade. Eram milhares de pessoas.

Antes, passamos na casa da Mirtes, mas ela estava mamadinha.

Senti falta do mano, o Paulinho, que está em Minas.

Não lembro de muita coisa da festa, nas ruas. Eu já tinha tomado umas garapas, e não sou de ferro.

Dizem por aí que o senhor Inácio França vai ser convidado para a equipe de governo.

Sabem qual o lema da Prefeitura de Fortaleza?

"Fortaleza Bela: quem ama cuida".

Hoje estou telegráfico, mas escrever de lan house provoca isso.

Amanhã, já no Recife, botarei este blog em dia. Tem uma dezena de novas crônicas para postar, inclusive a que fala do dia em que virei frade franciscano, da ordem menor, no Agreste de Pernambuco.

Ah, a manchete do jornal O Povo, de hoje:

"É Lula de novo".

Bem original.

11 comentários:

Anônimo disse...

o Recife ficou amarelo e vermelho,foi bonita a festa.

J. disse...

peruca, seu energúmeno,

fiquei sabendo no sábado que o senhor tinha se debandado pra fortaleza. arretei-me, pois o ritual do primeiro turno - que compreendia uma passada na sua residência nos primeiros momentos do domingão pra tomar uma cerva quente - não pôde se repetir.

besteira. na praça de casa forte, o uísque foi do sanfoneiro chiló. no esquema "pegar escondido pra os home não ver".

aê.

J.

Capilé disse...

Posso estar enganado, mas, acho que essa lei proibitiva do álccol nos dias de eleição só dá mais sede na gente...se formos medir dias normais e dias de eleição veremos um significativo aumento no consumo. Muito engraçado os botecos semi-fechados...rsrsrs, cada hora um susto, "lá vem os homi", "é só guaraná doutor"...também tomei a minha, e confesso que escondido é mais gostoso. Vamo lá, agora "deixa o homem trabalhar"!!!!!!

Lambreta disse...

Gostei do tom das crônicas.

Estou me enxerindo nesse gênero.

também, no meu caso sem saber, aproveitei o descontão da siciliana. Inclusive comprei uma bela reunião de crônicas de Manuel Bandeira por quinze contos.

Samarone, tô num grupo que tá lançando um jornal novo na cidade, " A Massa", Ivan, do Ombuds tá nessa. Posso te mandar por emeio a proposta?

Ah, to morando no Poço na Casa dos Macacos há uns seis meses

Falou
Alfredo

Rafinha disse...

e o voto pra governador, votasse em quem?
ainda bem q vc não estava aqui em pernambuco, pq as opções eram excelentes. de um lado medonça, jarbas, marco maciel, roberto magalhães e por aí vai. do outro lado estavam eduardo, fernando lyra, severino cavalcanti, armando monteiro. votei nulo!!!
e o lema do governo eduardo vai ser: é inocêncio de novo, com a força do povo!!!

Gustavo disse...

Lula, ganhou é certo, mas alguém pode me explicar porque duas milhões de pessoas deixaram de votar no sr. alckmin? que tipo de eleitor é esse que temos que muda de opinião como quem muda de roupa?

Lula ganhou, é certo. Mas será que o Brasil acerta?

G.

Julio Vila Nova disse...

Samarone, por aqui a imprensa toda escondeu, mas sabe-se de fonte segura que o Sr. Jarbas Vasconcelos foi socorrido hoje de manhã, com a pressão alta: 40 X 13

Anônimo disse...

Gustavo, é "esperar" pra ver.Embora, creio, não cabe mais a espera,precisamos ser mais atuantes,pois os problemas são urgentes e somos responsáveis por cada um deles.Quanto à votação de Alckmim ter sido menor...na minha mera opinião,os debates devem ter sido responsáveis por isso.Não vejo outra explicação, embora Alexandre Garcia (dia 30) no Bom Dia Brasil "analisou" e justificou essa queda pela desinformação das pessoas, uma vez que, segundo ele, Alckmim venceu nos debates e pelo medo das pessoas de perderem o bolsa família.Para ele,as pessoas menos esclarecidas elegeram Lula.Ou seja, pessoal,somos todos aqui burros.Setores da mídia foram ridículos nesta eleição.Indico uma matéria no site do Observatório da Imprensa, na verdade nem tanto a matéria, a qual foi escrita por Alberto Dines(oqual tem se doído demais com as críticas à imprensa), mas os comentários.São bem interessantes. Enfim, sigamos, mas preservando a esperança, pessoal, sem ela o negócio fica difícil.Um abraço. Magna

Anônimo disse...

Esqueci de dizer a matéria: "Novas cantilenas sobre a mídia". Magna.

underskin disse...

que bom descobrir este espaço.

samarone disse...

Lambreta, aguardo vosso contato.
samarone.