quinta-feira, 21 de dezembro de 2006

Lembranças do Armazém Paraíba, dinheiro para o aluguel de Marcos Pioleiro, Orkut e outras histórias

Estou em Patos, a 305 quilômetros de João Pessoa, no Semi-Árido da Paraiba. São 3h57 da manhã e cheguei há meia hora, numa viagem pela Viação Progresso, que fez a gentileza de reajustar as passagens justamente no final do ano. Devem ter se inspirado em nossos deputados federais, que se presentearam com quase 100% de reajusta.

Pois bem. À minha frente está o famoso "Armazém Paraíba", com sua contundente marca em preto e amarelo, imagem que acompanhou as cidades da minha infância. Ao lado, o Banco Cruzeiro do Sul (empréstimos para aposentados e pensionistas do INSS e servidores públicos). Ao lado do banco, a loja "Realce" e depois a "Narciso". Para o lado da esquerda (contando do Armazém Paraíba), tem uma unidade odontológica, parceria do município com o Governo Federal. Mais à esquerda, a casa lotérica Esperança (o nome de quase toda casa lotérica) e a "Farmácia dos Municípios". Na esquina, uma casa toda pintada de amarelo, a cor oficial do PFL, que julgo ter sido outrora (estava louco para usar esta palavra hoje) o comitê de algum candidato na eleição passada.

Reparo o nome dos febrentos: Cássio-45; Antônio Mineral- 45.444; Gilvan Freire - 1234 (esse só não se elegeu se for mesmo ruim de voto).

Uma simpática, bucólica, singela e típica árvore de natal ilumina a pequena praça. Não deve ter custado nem dez reais, mas é mil vezes mais linda que a patética decoração-mulambo que a prefeitura do Recife reservou para este período do ano.

Eu estava assim, tomando minhas notinhas neste velho caderno de viagens, quando fui cutucado por um sujeito moreno, de uns 43 anos, meio sambado pela vida, cabelos indescritíveis, vestido de forma mais ou menos. Veio com uma conversa inacreditável, quase cinco horas da manhã, de que faltava somente dois reais para pagar o aluguel. Sinceramente, o sujeito que sai de bar em bar, em plena madrugada, com uma conversa dessa, deveria estar era escrevendo para o cinema.

"Dois reais para o aluguel? Ah, velho, tenho não. Se fosse para tu tomar uma dose, eu dava um jeito", respondi.

"Não, velho, estou falando na real", insistiu.

Diante do meu desdém, ele apelou:

"Dia 26 de dezembro, completo dois anos sem beber".

Aí pegou de jeito. Lembrei que meu tio Ademar outro dia completou um ano sem beber, com a ajuda do AA. Súbito, me veio uma ternura com todos os que pararam de beber e ficaram mais felizes, centrados e calmos. Sim, porque tem uma amiga minha que parou de beber que mudou do vinho para a água. Parece outra pessoa. Quando ela bebia, era mais interessante.

"Tu escreve poesias?", perguntou ele.

"Só quando tenho saudades de alguma coisa que não lembro", respondi, e não sei de onde veio esta resposta.

"Pois eu escrevo poesias", disse meu amigo.

Depois de um breve silêncio, ele mudou o pedido. Dispensou o vale-aluguel e pediu para que eu anotasse um poema dele.

"Vamos lá, mande brasa". Então ele começou a recitar, em tom emotivo mas pausado:

"Terra seca, pobre e nua
falta água, falta pão
falta tudo nessa vida
só não falta coração".

Era um poema longo, que anotei em meu caderninho, mas agora não dá tempo transcrever por inteiro. Ele recitou mais dois poemas, que anotei. Queria mais um, mas aí eu me arretei, porque não iria transcrever o livro do sujeito.

"Tá bom por hoje, né?", eu disse.

"Sabia que eu tenho uma comunidade no Orkut?", comentou o poeta.

Lembrei de meus 80 alunos, entre 16 e 19 anos: 79 têm Orkut.

"Anota aí para tu dar uma olhada: www.orkutcomunidademarcospioleiro.com.br"

Houve um silêncio repentino. Ele falou de peito estufado:

"Tem muita gente na minha comunidade. Até dos Estados Unidos".

Então ele esqueceu do dinheiro do aluguel e foi embora.

Na TV, aqui na lanchonete "Pão Quente" (padaria, lanchonete e conveniência 24 horas) começa a rolar Gasparzinho. As primeiras Toyotas e Rurais começam a passar. São 4h27 da manhã. Na mesa ao lado, quatro camaradas discutem meio exaltados sobre cheques, falcatruas, notas fiscais frias, acertos sobre cargas com material paraguaio, um disse que só ele mesmo "teve coragem de resolver aquela bronca com o João". Ficou liso no interior do Maranhão, e arrematou:

"Bota os pneus em cima do caminhão dele e toma dois mil conto!"

Não entendi nada, mas tudo bem. A viagem segue, a vida segue.

10 comentários:

Anônimo disse...

Samarone,

Só tu mesmo para encontrar um ex-bebado-poeta e pidão da madrugada.É isso aí.... assim vive parte da pop brasileira, mesmo com todas as políticas compensatórias que temos.
Gostei do e-mail de Inácio.Esse Telmo é mesmo uma "alma",ele tinha que escolher justo o trecho mais longo e cansativo da caravana.
Aproveito a oportunidade para enviar um beijão e agradecer pelos momentos de felicidade que passei junto aos que fazem a caravana Unicef_ed-2006 ( Regina palhacinha mais linda;Anderson o grande maguito;Jaqueson o palhaço mais profissional que conheci;Os dos "Nós dos palhaços brincantes",que saco o ensaio e nós querendo dormir, (Marcelo,Adriano (o meninão) e Vera a centrada do grupo);Hugo e Valetim os campeões de "toimmmmm"; Franklin " o motorista" não um motorista; Mateus/Luca " os fotografos, sendo que Luca só não pode acordar cedo, pq fica de mal com o mundo; a nossa adorada Valéria, as vezes "a mãe" e em outras "a bruxa" entrava na neura dos "outros" só uma observação: não devemos esquecer que os outros são os outros...;e finalmente,o grande Sama, o jornalista mais pé na jaca que conheci rsrsrsrsrsrsr.
Gracias a la vida por vocês existirem.
Conceição Cardozo
PS.: desculpa se não era para usar este espaço, mas não tinha outro.

K2 disse...

Sama,

Fui procuar a comunidade do tal Marcos e olha só o que encontrei:

Marco Pioleiro e o aluguel !!!
Descrição: "Bom Galera, essa comunidade é pra vcs que já foram ou seram vítimas dos alugueis de Marco Pioleiro, lhe pedindo 1 Real pra pagar o seu aluguel que num tem fim nunca, fiquem a vontade pra opinar e falar sobre essa ilustre criatura."

Simone disse...

Oláááá sama,

não tenho orkut, mas pedi pra pesquisarem sobre essa comunidade e saber a quantidade de participantes. A resposta é que estão cadastrados 18 integrantes que já foram vítimas desse "pedidor" de R$ 1,00 para o aluguel. Que figura...

Um beijão!

Anônimo disse...

Olá Sama,
Já li todas tuas crônicas.Te digo uma coisa,essa porra vicia,véi!
Feliz Natal!
NETÃO

Mariana disse...

Eu entrei no orkut pra pesquisar e o primeiro post diz assim:

MARCOS PIOLEIRO PAGA DIÁRIA?

Héllio - Só pode ser, pois todos os dias ele está correndo atrás de grana para horrar com seu aluguel!
Alguém tem outra explicação???

Marcão - "Além" de pedir dinheiro a galéra para pagar meu aluguel em dia, pago IPTU da prefeitura!!! vc´s Não entende?

§®å - Ele eh um Maximooo!
como diz eleee ...
eh melhor pedir do q roubar neah??
aluguel seim fim ...
eu que ú digaaaa!!!! ...
sou vitima diaria dessa extraordinaria pessoa!!!!

**
Transcrevi ipsis literis.

Beijo!

Gustavo disse...

que maravilha.
uma pérola para sentir...
o povo do brasil agradece.

G.

Anônimo disse...

Olá Sama!

Boa viagem. A crônica estava saborosa.
Grande abraço,
Priscila

Anizio Carlos da Silva disse...

Comunidade do Marco Pioleiro:
http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=16392112

Obs.: Samarone, você vem na confraternização da Sanfona Coral neste Sábado?

Se vier, traz aquilo que pedi no email que enviei... é pra minha esposa torcedora da coisa!

Um abraço.

Julio Vila Nova disse...

Sama, sobre o dilema beber/não beber, vi hoje na camisa de um sujeito, no centro do Recife:
"QUEM BEBE VIVE MENOS...
MENOS IRRITADO, MENOS PREOCUPADO, MENOS APRESSADO, MENOS ESTRESSADO..."
Vou pro quarto mês de abstinência, por conta de umas questões internas, que atendem pela desagradável alcunha de gastrite/esofagite. Como já me sinto melhor, espero que a querida Dra. Maria do Carmo me libere por esses dias...porque ando num estresse arretado!

Gerailson Teodosio disse...

Terra seca pobre nua
Falta agua falta pão
Falta tudo nessa terra
So não falta coração
Coração fiel sem par
Que a tudo pode enfrentar
A seca se acostumou
Já viu: o açude secou
O gado morre de fome
Terra seca pobre nua
Terra de cabra da peste
Sertão de gente sofrida
Coração do meu nordeste