terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Para quem vai perder o Carnaval de Pernambuco

Foto: Passarinho/Prefeitura de Olinda

Amigo, se você está longe do Carnaval de Pernambuco, e não tem como resolver este drama existencial, há duas opções.

A primeira: Você vai pensar muito, lembrando da manhã de sol do Galo da Madrugada, as farras memoráveis do Acho é Pouco, as milhares de troças, subindo e descendo aquelas ladeiras intermináveis de Olinda, e vai sofrer em excesso. Se você está longe do Recife, e começar a passar na cabeça o filminho do Carnaval do ano passado, ou retrasado, ou daquele Carnaval inesquecível de 2000, quando você conheceu alguma colombina com restos de maquiagem e um sorriso devastador, vai sofrer mais ainda. Cuidado com essa mania de lembrar, porque você vai sofrer.

Outra opção, é fingir que não está acontecendo nada, que você não vai sentir uma pontada no coração, uma fisgada no sentimento, uma luxação na saudade, quando chegar a sexta-feira, e o Lili Nem Sempre Toca Flauta sair por algum descaminho, naquela multidão de sôfregos, enlouquecidos pela festa mais aguardada do ano.

Não faça isso, amigo, esse fingimento provoca mais dor ainda.

Também não venha com aquela conversa de que "Carnaval tem todo ano", porque todo mundo sabe disso, mas o pernambucano tem uma febre a mais, um desespero a mais, uma perturbação na alma. Sabe-se muito bem que ao toque de uma reles orquestra de frevo, a mais raquítica e mal paga, com músicos suicidas que tocam saxofone e trompetes fumando cigarros envenenados, doentes levantam do coma na Restauração e descem pinotando. Retornam na quarta-feira de cinzas, depois do Bacalhau do Batata, como se nada tivesse acontecido, e morrem docemente, felizes. Morrem sorrindo.

Essa desculpa singela e falsa do "Carnaval tem todo ano", é uma ilusão. Não seja patético.

Se você está longe e vai tentar o fenômeno da compensação, cuidado, amigo, o erro pode ser fatal. Você não vai encontrar os Batutas de São José em nenhuma parte do imenso globo terrestre, e nenhum hino vai incendiar seu coração numa nuvem de tempestades e raios, como o hino de Ceroulas. Desconheço povo que prometa, todo ano, ir para a lua, para ver se lá tem Carnaval. O Pernambucano faz isso todo ano, e não se cansa.

Resta a humildade de reconhecer que este ano, não vai dar. Calce as sandálias da humildade, nada de pensar muito ou pensar nada. O coração vai doer, você sabe disso.

Aqui vai o único conselho. Onde você estiver, não procure os pernambucanos, amantes do Carnaval, durante esses dias. O pernambucano, longe de seu estado, em pleno Carnaval, é uma pessoa perigosa e extremada, com as emoções à flor da pele. Pode se embebedar com um copo de cerveja, e chorar se alguém falar, ao acaso, o nome de Capiba. Até a quarta-feira de cinzas, deixe-os quietos. Estarão todos inconsoláveis, saudosos, falando de pastoras, Olinto, Pedro Salgado, Guilherme, Fenelom, cadê seus blocos famosos. Todos estarão gemendo de uma saudade impossível de conter, enumerar.

Chama-se Antônio Maria, o poeta que perguntou o fundamental:

"De que adianta se o Recife está longe, a saudade é tão grande, que eu até me embaraço?"

Acho melhor parar por aqui. Estou mexendo com emoções fortes, e será meu primeiro Carnaval fora da minha pátria, nos últimos sete anos.

Sei que ainda faltam alguns dias, mas sei que naquela terra amada, todos já respiram, comem, dormem, sonham, projetam a grande festa.

A todos, um lindo Carnaval.

Foto: Passarinho/Prefeitura de Olinda

16 comentários:

Anônimo disse...

oui. d´accord. oui.
umpf!
bisou
justine

Anônimo disse...

É de fazer chorar... Sama, tá tudo lindo aqui, trabalho no Recife Antigo e os Blocos já tão saindo envenedados, as ruas estão, na minha humilde opinião, Mais Lindas do que Todos os anos!

Bjs, respirando e contando os dias para o carnaval.

Se cuida, tô com "pena" de ti.:)

Simone Pires
simonepires77@gmail.com

Danilo Souza disse...

Vai te fuder, Samarone!
Puta que pariu...
Estar no reino do "por que no te callas" em tempo de reinado de Momo e Glória é fuooooooda.

Xero,

Dan

Dida Maia disse...

Meu irmão, você conseguiu traduzir em palavras, para os não pernambucanos, o indescritível de ser pernambucano (recifense ou olindense) e estar aqui nesses dias.
De fato, já se ouvem clarins. Domingo, pelo 2º ano seguido fomos atrás do Tá Maluco, um bloco com uma orquestra (a de Pitombeiras) com 4 tubas e mais de duzentas pessoas subindo e descendo, numa Olinda quase vazia. Carnaval como nos velhos tempos.
Mais não digo que é pra não aumentar teu sofrimento.
Num se avexe, não, que carnaval tem todo ano, hehe.

Anônimo disse...

Sama, botasse pra lascar agora! Segunda-feira passada, plena segunda, veja aí, encontrei Anízio e o mago Valadares em Olinda, no lançamento do CD Frevo do Mundo (o comentário geral era o golaço de Rozembrick na última rodada). Edu Lobo tava lá e cantou essa beleza aí do Antônio Maria, "Frevo nº1 do Recife". Também teve Izaar, a Orquestra Popular da Bomba do Hemetério e mais. Aliás, essa orquestra ainda vai dar muito o que falar! Ontem, no Recife Antigo, foi ela que fez o som do Cordão Carnavalesco Satírico, Etílico e Libidinoso Bacia d'Água, com Bráulio de Castro, Walmir Chagas e mais gente boa. O que Simone Pires disse aí acima é verdade: as ruas e pontes estão uma beleza, com as figuras de Abelardo da Hora.
Texto massa, mais uma vez! Faltou apenas falar do noso Cordas e Retalhos, que estará no Encontro de Blocos na segunda!
Evoé!

Júlio Vila Nova

sirley disse...

Agora eu entendi!
Um grande abraço,

Anônimo disse...

Botou pra fuder!!!
esperando ansiosamente a sexta feira.

Anônimo disse...

sabe o que é pior de estar longe?

ter que mudar o canal da televisão sempre que algum apresentador diz: e vamos para olinda!!

aí, vem aquela musiquinha
tã nã nã nã nã nã nã

é de fazer chorar.

Samarone Lima disse...

Amigos, as fotos foram colocadas pelo Anizio das Olindas. A primeira, salvo engano, é o encontro de blocos dos seus tios.
Samarone

Tricolor disse...

Postei no link anterior. Agora sim.

Do carnaval de Pernambuco a gente sente saudade até mesmo habitando por aqui nesta terra dos altos coqueiros. Que a quarta feira ingrata não chegue tão depressa. Por isso, livre-se Sama de todos os noticiários nacionais, eles irão delatar as mesmas, mas belas maravilhas desta farra denominada de “CARNAVAL”.

Alexandre Cavalcanti (o também tricolor)

Anônimo disse...

Sama, saudade de tu da gota! Pensei que ia te encontrar lá nos Barbas. Sem comentários pra não fazer chorar. abração!
lobo

Anônimo disse...

sama, que seleção de fotos é essa do Anízio? A segunda está massa, mas essa primeira aí, sei não...parece que ele quis homenagear a turma dos leões, será?

João disse...

Mai fresssssscoooooooo
João Valadares

Diadorim disse...

Deixa que eu puo as orelhas de Anízio daqui.

Bom, não vou comentar nada do carnaval não né?

Texto perfeito!

Abraço!!

Anizio Silva disse...

A primeira foto é do desfile do bloco "Virgens do Bairro Novo"; uma gréia só, e a alegria de se fantasiar e tirar onda. Qual o problema?

Samarone me pediu pra trocar, mas eu esqueci. Agora já era.

a.Borba disse...

é o meu segundo crnaval longe de recife... mas meu primeiro "näo-carnaval" em 11 anos de carnavais... doeu, doeu...
.
.
.
p.s.: tb fiz um textinho sobre isso... e depois linkei o teu