segunda-feira, 24 de março de 2008

Ao próximo prefeito



Biblioteca numa rua de Tóquio. Penso numa dessas no Córrego do Jenipapo
(Foto de Carlos Vaz Marquez, pescado no blog www.sintaaez.blogspot.com)

Ontem tive a primeira reunião de base para discutir propostas e planejamentos para a próxima campanha à Prefeitura da Cidade do Recife. Não sei como isso funciona em outras cidades, mas aqui o povo é meio avexado.

Na quarta-feira, no bar de Seu Vital, teremos outra reunião, para detalhar o planejamento, para depois conversar com nosso candidato, o Luciano. Diga-se de passagem: o povo aqui adora reunião.

O tema surgiu no meio do aniversário do meu comparsa de caminhadas, Iramarai, e a discussão pegou fogo. Súbito, todos começamos a sonhar com uma cidade melhor, mais humana, menos violenta, mais bonita.

Eu quero muitas coisas do próximo prefeito, mas lutarei, com as forças possíveis, para que ele se preocupe com bibliotecas, leitores e livros. Quase ninguém fala, há formas mais inteligentes de se vencer a violência.

Que a cidade ganhe de presente lindas bibliotecas, nos bairros mais pobres. Não falo dessas bibliotecas da escola, que funcionam dependendo do temperamento da responsável, muitas vezes com bons livros, mas sem leitores. Falo de bibliotecas lindas, bonitas, amplas, bem iluminadas. Bibliotecas com cadeiras confortáveis, silenciosas. Um lugar que dê vontade de ir, ficar, nem que seja para se envolver com o silêncio, a quietude, a paz.

Um mar de livros. Todos aqueles autores que ajudam a mudar conceitos, a percorrer labirintos, a descobrir mundos.

Penso não num Parque Dona Lindu, que é a grande obra do fim da atual gestão, que vai custar uns 40 milhões, sei lá, um negócio que vai custar milhões, mas não tem uma biblioteca dentro.

Imagino bibliotecas lindas no Coque, na Favela do Detran, Chão de Estrelas, Linha do Tiro, Alto do Pascoal. Lugares que abriguem nossos jovens, para que tenham um refúgio, milhares de amigos em páginas cheias de letras, para desvendar outros caminhos.

Do próximo prefeito, espero uma gestão que gaste menos com o Carnaval, que traga menos artistas consagrados, e que cuide mais de prateleiras, estantes, que contrate pessoas que amem os livros, para tomar conta, orientar, ler, compartilhar belezas.

Na metade do seu mandato, gostaria de escutar um jovem falando com outro:

"Nos encontramos lá na Biblioteca do Coque, no setor de literatura brasileira".

Ou:

"Tás sabendo que hoje tem uma palestra sobre poesia no Alto do Pascoal?"

Ah, como queria uma nova geração de leitores, de apaixonados por livros. Como sonho em passar a roleta do ônibus e esbarrar com várias pessoas lendo poesias, crônicas, romances.

Quando penso nesses jovens, lembro dos meus alunos, todos na faixa dos 17 aos 19 anos, que descobriram Fernando Pessoa, Clarice Lispector, que se encantaram com o Renato Carneiro Campos. Posso ver Suco, Gabriela, Ana Cecília, Danúbia, Herivelton, Windoson, Manuela, tantos outros, que descobriram este mundo encantado, e nunca mais conseguiram sair dele. Ah, como sinto que eles estão protegidos, com o Fernando Pessoa na algibeira, com a Clarice a encantar os sonhos dentro da bolsa...

Nunca consegui fazer com que minhas propostas entrem nos programas de governo. São sempre fora de moda, não contribuem muito, não dão votos. Minhas preocupações são outras.

Modestamente, lutarei para que livros e bibliotecas façam parte do programa de governo do próximo prefeito do Recife. Sonho com uma geração de novos leitores, de apaixonados por histórias, que trocarão, sem perceber, as armas pelas páginas.

Sonho com uma cidade repleta de poetas, cronistas, romancistas, ou pessoas mais sensíveis às belezas do mundo. Nossos jornais poderão noticiar um recital com 300 poetas, ao invés de mais 32 homicídios no feriadão.

Começo a juntar meu pequeno e brancaleônico exército para mais uma batalha.

Invoco o meu querido Leminski para animar meus camaradas:

"Distraídos venceremos".

Para meus ex-maravilhosos alunos da Oficina da Palavra

12 comentários:

K2 disse...

R$ 29.662,711 é o preço do parque. É praticamente o mesmo valor investido na urbanização da orla de Brasília Teimosa (engorda da praia, reforço no muro de contenção do avanço do mar, pista, paisagismo, quiosques, estacionamento, parques e arena esportiva), aquisição do terreno do Casarão do Cordeiro e construção, no local, do conjunto habitacional com 704 apartamentos e 56 casas. Tudo isso custou R$ 30 milhões.

Julio Vila Nova disse...

Beleza. Quero me apresentar para o alistamento.

Anônimo disse...

Sama, acho importante essa sua preocupação com a leitura. E torço para que suas propostas sejam aceitas viu. Que bom que vc já está de volta de suas andanças. Manda sempre noticias. Bjsssss

Sua aluna Reclamona huhauhauhauhauh.

Danúbia Dantas.

Fernando disse...

Melhor seria escrever um livro onde as crianças morariam dentro dele...

Anônimo disse...

Ao ler seu texto fiquei com vontade de apresenta-lo a Kcal, um rapaz do Bode que montou uma 'livroteca' numa palafita da favela. Despretensiosa, mas rica em poesia e sonhos...Marcia

Anônimo disse...

Parabéns p/ sua ideia em criar as bibliotecas nos bairros mais pobres.
É uma pena que essas sugestões não sejam acatadas p/ nossos politicos.
É que fica mais facil construir um parque milionário que uma biblioteca.
Todo mundo sabe porque.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Diadorim disse...

de novo por aqui...

Linda idéia.

Tiago Negreiros disse...

A idéia é maravilhosa, mas temo que faltasse interesse por partes das pessoas dessas comunidades. No entanto, se a prefeitura educasse essas pessoas a frequentar ambientes como esse, acredito que o investimento iria trazer retorno.

Discordo quando vc critica oq é gasto no carnaval da cidade e no parque dona lindu. Os dois investimentos são importantes para o turismo de lazer da cidade, que anda em frangalhos. O turismo traz muito dinheiro para uma cidade e é lucro garantido.

Clarissa às claras disse...

Acredito na sua idéia, e a apóio!!
No entanto, precisa-se também que o ensino nas escolas melhore. Crianças e jovens que não têm um bom domínio da leitura se desinteressariam em 2 segundos pelos livros.
Precisa haver mais intimidade com as palavras primeiro, para que depois venham os livros.
E acho que você poderia propor também mais peças teatrais e cinema a preços acessíveis!!
Teatro e cinema também são cultura e formam opiniões.
Quando puder, passa no meu blog e me dá umas dicas, tá?!
Se não for pedir muito...

Julio Vila Nova disse...

Muito bem, Clarissa, melhorar o ensino...não podemos deixar de dizer que um bom começo seria melhorando o salário dos professores. Em Pernambuco, os da rede pública estadual recebem o pior do Brasil inteiro.

gustavo disse...

Aqui em Brasília, o Luiz Amorim, dono de um açougue, criou dentro do próprio açougue uma livraria - Açougue Cultural. O projeto deu tão certo que o homem recebeu apoio para colocar estantes com livros em mais de vinte paradas de ônibus pela cidade. Qualquer pessoa pode pegar a vontade qualquer livro, na condição de devolver outro ou o mesmo.

Marcos Cardoso disse...

Samarone... Olha esse exemplo:
http://iurirubim.blog.terra.com.br/ba_tem_maior_biblioteca_comunitaria_do_m

Um ex-faxineiro na Bahia montou a maior Biblioteca Comunitária do mundo!