segunda-feira, 3 de abril de 2006

Essa chatice do astronauta brasileiro...

Amigos leitores, aqui vai uma confissão: eu não agüento mais essa ladainha da mídia brasileira envolvendo o senhor Marcos Pontes.

O sujeito parece ser boa gente, tem cara de bom moço, bom pai, bom marido, bom vizinho, bom cunhado, bom sogro, bom sócio do Rotary, não freqüenta os Alcoólatras Anônimos, não tem cara de quem toma umas garapas com os amigos até ficar mole, não acompanha os jogos do seu clube, não dá cotoco no trânsito, não bate na esposa, mas resolveu encher a minha paciência quando decidiu ser astronauta. Pior: quando foi aceito pelos norte-americanos para ir ao espaço sideral, como se isso fosse a descoberta da vacina contra a malária.

Vou confessar uma coisa: uma matéria com ele, antes do embarque, para saber se ele tem medo de altura, se está com frio na barriga, depois as imagens dele no céu, e estava ótimo, já poderiam trocar de assunto, falar de outros temas mais pungentes (estava louco para usar essa palavra hoje, “pungente”).

Mas esse senhor Marcos Pontes está na TV de manhã, de tarde, de noite, de madrugada, na hora do almoço, da janta, do lanche, pelo simples e comovente motivo de ser o “primeiro astronauta brasileiro” que está no espaço sideral. Os jornais e revistas já não têm mais nem o que falar do sujeito, sabem até o tamanho da cueca dele e o nome da primeira namorada, ali no ginásio. Faltou pouco para botarem a musiquinha do Senna, quando o foguete decolou, e não papocou todo.

Li não sei aonde que o Brasil gastou U$ 10 milhões nessa brincadeirinha, eu nem vou falar nada, porque essa grana, em Educação, deixaria nossas universidades e escolas numa boa. Bom, ele vai fazer 12 experimentos no ar, então pode sair, da estratosfera, alguma coisa brilhante, para ajudar a melhorar a vidinha por aqui, porque o negócio não está fácil. Um pobre de um aposentado, para ser atendido pelo INSS, tem que virar a noite em uma fila, ao relento.

A única certeza que vou tendo, com o passar dos anos, é que a mídia brasileira está cheia de obsessivos-compulsivos. Escolhem um assunto para martelar, e tome pau no cabeção da gente. Quando o jogador Ronaldo foi casar com aquele modelo, eu tive vontade de morar na Malásia, porque não agüentava nem ver mais os dois - e olha que a menina é até mais ou menos! Foi tanta frescura por causa de um casório, que a história não durou nem três meses. Agora vai uma confissão, por favor não espalhem: foi uma praga que joguei.

Estou louco que essa viagem termine logo, que ele desça são e salvo e o assunto termine.

Acho que vai ser é pior. O homem vai virar herói nacional, vai chegar de avião, agitando a bandeira brasileira, será recebido no Palácio da Alvorada, pelo digníssimo senhor Lula, e finalmente vai desfilar em carro do Corpo de Bombeiros, uma tara tipicamente brasileira. As imagens de sua mãe chorando, dizendo que ele é a melhor pessoa do mundo, ajudarão a completar o espetáculo.

Depois, o assunto vai cair no esquecimento e outra obsessão entrará em cena, talvez a Copa do Mundo, ou uma calamidade nacional, de proporções bíblicas, que seria uma contusão grave do nosso Ronaldinho Gaúcho (acabei de bater três vezes na madeira).

O digníssimo leitor vai me perguntar:

“E sobre essa viagem, que custou dez milhões de dólares?”

Tenho um amigo muito prático, que gosta de resolver as coisas sem enroladas, que é o digníssimo Serjão. Quando chega alguém com uma conversa muito empolada, cheia das mil etapas e prosopopéias, para falar de algo que nunca vai sair do papel, é mais meio de vida e muita pose, ele escuta tudo como se estivesse achando a coisa mais importante do mundo, e saca do coldre a pergunta:

“Sim, mas e daí?”

Boa pergunta.

Até amanhã.


ps. mudei a cara do Blog e gostaria de saber se está melhor ou pior.

10 comentários:

betita disse...

Sama, cometando o seu post anteior, eu estava na mesma situação. Sai do trabalho e enfrentei aquele caos. Tentei ir andando pela Rosa e Silva, mas eu tinha duas opções: ou pega o ônibus lotado, ou levava garrafadas para passar na frente do naútico. Cheguei até a esquina do naútico, mas fui obrigada a ficar com a primeira opção.
Um puta calor no ônibus, atalho filha da mãe, bolsa pesada do caramba, e um monte de "filhinhos de papai" rindo e chorando pela rua. Fiquei revoltada com aquilo.
Fui cantando no ônibus pra não madar todo mundo se f...

Anônimo disse...

já que você pediu para falar sobre a nova cara do blog...
acho que esse modelo não se parece muito com você, rebuscado demais e com esse coloridinho meio "fashion". mas talvez não te conheça bem o suficiente, sei lá.
além do mais, belo menino criado com flores, cadê os poemas?
essa cara nova tem que ter um "link" - acho que é assim que o povo cibernético chama - para os quemerospoemas. faz falta, é o complemento - complemento do blog, mas para mim sempre o prato principal, a alma além da alma mostrada.
ainda que os textos leves sobre o cotidiano, com sua beleza embalante, sempre me façam voltar aqui no dia seguinte, digamos que a poesia é a parte mais "pungente", aquela sensação de tempestade deliciosa, cortante e sempre linda. sinto saudades.
beijo do tamanho do mundo

Anônimo disse...

sinceramente? o que nos interessa é o conteúdo sama. e este, estará sempre melhor e melhor.

Anônimo disse...

Achei legal . Só não entendi porque todo este espaço lateral verde sem nada.

Thelma disse...

Busco teus textos com qualquer diagramaçao, cor e formato. Para mim, tu és um mestre!!!

keila aquino disse...

Sama, não tenho tido muita, digamos, "inspiração" ultimamente pra comentar seus textos!! Peço desculpas! Mas tenho visitado vc diariamente, viu?
Qto ao novo modelo do blog, ficou muito legal! Mas o mais importante é, realmente, o conteúdo. E isso vc tem de montão!!!
Beijos pra vc.

Suy disse...

Gostava mais do formato antigo, já estava acostumada e tive a impressão que as letras estão menorzinhas, sei lá, não parecia que estava lendo o estuário que conheço, rs. Bjks!!!

Anônimo disse...

Sama, depois que os cachoros, gatos e oputros anumais domédticos visitaram o espaço, chegou a "nossa" vez. A mídia, como sempre, um espetáculo de idiotices e nehuma creítica mais aprofundada.
Sobre a diagramação do site, concordo com o leitor que diz que esate verdão no lado direito está sem função alguma. Os textos continuam ótimos. Até já. Abração do mano PH

Dito disse...

virou moda fazer festinha
na frente ali do palácio,
uma lona de circo, um mágico e um palhaço,
mendonças, mendoções e mendocinhas.

Anônimo disse...

olá,
Gostei do novo visual do blog.Gosto de mudancas, enfim.
Claro, sou fa mesmo é do conteúdo.Parabéns!E obrigada!
um abraco,
Claudia