sábado, 29 de abril de 2006

Se é para falar de pequenos delitos...

Bem, fui tocar no assunto dos "pequenos delitos", na crônica passada, e choveu de gente fazendo pequenas confissões. Agora vamos e convenhamos: roubar o "Aurélio" é algo meio descarado demais.

Então, como é manhã de sábado -melhor, manhã de sol depois de uma chuva, fiquei aqui a revolver meus miolos, pensando nos pequenos delitos, indo bastante contra o politicamente correto dos tempos atuais. Encontrei alguns pequenos delitos que não considero de todo ruins.

Ter roubado a Livro 7 parece que já é crime prescrito, pois a livraria fechou há alguns anos, e desconfio que vários larápios do mesmo tipo andaram por lá.

Quando fiquei hospedado em um albergue, em Buenos Aires, conheci uma sueca chatíssima, que só queria ser a dona da cocada preta. Em tudo ela queria levar vantagem. Pois bem. À noite, eu ficava lendo até tarde, e quando o albergue dormia, eu ía à geladeira e atacava a cestinha da sueca. Como um bom rato, dei umas roídas no seu queijo, acompanhado do azeite de oliva maravilhoso.

Já entrei várias vezes no estádio com a cachaçinha escondida por baixo do bermudão. Como apertaram a fiscalização, o produto agora vai debaixo do pandeiro de Josimar.

Na adolescência, pegava escondido a Playboy debaixo do colchão do meu pai, e uma vez botei a culpa no meu irmão, o Tonho.

Na quinta-série, levei um saca-rolha para a escola e comecei a furar uma carteira. Depois, passei para os colegas. Quando já íamos na oitava carteira furada, o crime foi descoberto. Desconfio que não assumi a autoria do delito, e ficou por isso mesmo.

Uma vez eu disse para minha terapeuta que tinha amadurecido como pessoa.

Dizem que joguei o rádio de pilha, que Seu Vital sempre me emprestava, nos jogos do Santa Cruz, num bandeirinha ladrão. Não lembro se é verdade, mas o rádio desapareceu.

Roubei fotos esporádicas de amigos e amigas.

Já disse que estava liso, em divisão de contas, mas era lorota. É que eu tinha achado a conta cara demais.

Gatunei alguns livros de Gustavo, mas ele fez o mesmo com alguns meus, então tudo bem.

Quando tem visita aqui em casa, uso o shampoo da visita, que é sempre melhor.

Pedi o celular de Sóstenes, um dia, para uma "rápida ligação". Passei mais de quinze minutos na linha, e nunca o comuniquei do fato.

Já escondi as chaves do carro da namorada, para ela não ir embora, e perdi as chaves. Bem, eu já tinha tomado umas garapas.

Bem, são todos delitos prescritos. Diante do que a turma tem feito em Brasília, minha ficha criminal poderia ir para o setor dos anjinhos.

Ah, ía esquecendo: afanei um Verlaine e um Rimbaud de Luzilá. Vou devolver logo hoje, porque estou lendo cada vez pior em português, quanto mais em francês. Além disso, é muito feio roubar a vizinha, enquanto ela está viajando.

Vou parar por aqui, enquanto não lembro de coisas piores.

ps. voltei a atualizar o blog de poemas:

www.quemerospoemas.blogspot.com

8 comentários:

Anônimo disse...

Já prescreveu seu crime de roubar os corações alheios????
Qual a pena para isso??

Anônimo disse...

"Cada um de nós traz consigo um crime feito ou o crime que a alma lhe pede para fazer."
Fernando Pessoa

keila aquino disse...

Li uma frase outro dia no Blog de um amigo: "O pecado é não ser feliz!" Desconheço a autoria...

Mas acho mais certo afirmar:
" Crime é não ser feliz!!"

Busquemos isso. O resto é perdoado!!
Beijos pra vc nessa manhã de domingo bem chuvosa, não é?

Anônimo disse...

Sei não... prefiro vc sem essas confições.

Anônimo disse...

Meu camarada, agora entendo pq uma livraria do porte da Livro 7 (a maior da América Latina) faliu.... Primeiro eu achava q era o fato do brasileiro ler pouco, mas depois de ver tanta gente confessando seus furtos a nobre livraria..... A galera que hoje está mais abonada deveria ir acertar as dívidas com o Tarcísio...rs rs rs
Depois num reclama que o Recife está pobre culturalmente....

Ana Beatriz disse...

Samarone,
Você me deixou em dúvida: sei que todos nós temos as nossas muitas escorregadelas, mas divulgar, num blog deste gênero, que você já roubou livros? Como alguns admiradores seus receberão essa informação?
Não será exagero? Ou sou eu quem estou tapando o sol com a peneira?
Situações como essas me deixam confusas...
Beijos

Anônimo disse...

Sama, tu esquecesse um: dizer a um bebum que a conta deu R$ 50 quando tinha dado R$ 15 pra cada. Eu vi!

Bordel Religioso disse...

as vezes encontramos coisas legais no google, acabei achando o seu blog.
voce estuda na catolica?