quarta-feira, 3 de maio de 2006

Aniversário, presentes, amigos, enfim...

Os 37 anos chegaram mansamente, com dois presentes na medida: uma delícia de abacaxi, esse negócio que o sujeito não pára de comer, e um calção de banho novo, verde, porque o azul, com listras brancas, pela mãe do guarda, estava pela hora da morte. Desconfio que os tubarões não me atacaram em Boa Viagem, temendo problemas de saúde com o estado lamentável do calção. Vou agora de verde, para meus mergulhos arrojados de ex-nadador da AABB que nunca ganhou uma medalha.

Dia do aniversário é bom porque a data fica toda cheia de charmes e surpresas. Como já morei em muitas cidades e tenho amigo pra xuxu, nunca sei quem vai dar um “olá” ou mandar um email. Aviso aos distraídos que o celular agora só serve para ver as horas e me despertar. Só porque não paguei algumas contas, a OI resolveu unilateralmente cancelar meu direito de ligar e receber. Francamente, isso é o que minha amiga Grão chama de “grosseria generalizada”.

Depois, recebi uma carta linda de uma criança do Poço, aquelas com um coração desenhado, e um “ti amo”, com “i” mesmo. Dona Ermira, que foi a responsável pela gestação deste jovem aqui, chegou hoje de manhã, toda animada, e veio com uma carrada de agrados, começando pelo bolo mole, feito pela minha tia Beta, o melhor bolo mole do Brasil. Ganhei também duas camisas de manga comprida que adoro, um calção meia-boca (que ela não saiba), uma bermuda jeans e os tradicionais, fundamentais e infalíveis tubos-de-shampoo-para-cabelos-secos -desta vez da marca Elséve.

Na bagagem, minha mãe trouxe também a história da família: feijão verde, carne de charque e pequi, uma coisa deliciosa que colocamos no feijão, no arroz, e dá um sabor espetacular a qualquer rango. O produto é tratado como ouro puro por nossa família (desconfio que por todo cearense), e quando chega aquele saquinho congelado, com os carocinhos amarelados, os olhos brilham. Então devo almoçar, hoje, feijão verde com pequi, arroz e alguma surpresa mais. Para sobremesa, delícia de abacaxi.

Pretendo dar um bom cochilo à tarde, porque que ninguém é de ferro.

Mais tarde, à noitinha, vamos tomar umas cervejinhas em Seu Vital, nada de pompa ou circunstância. Por questões financeiras que não vale a pena aprofundar, a conta vai ser na base do racha mesmo, cada um pagando o que consumiu, ou até o que não consumiu mesmo.

De modos que só posso agradecer por ter amigos, gente que gosto e que me quer bem, essa coisa maravilhosa da amizade, do afeto, do amor.

Professor Davi acabou de ligar, querendo ir ao Mercado da Boa Vista no almoço para "tomar umas de leve", que nunca é de leve. Falei da farra à noitinha, mas ele me veio com esta:

"Malandro bebe de dia".

Desconfio que estou cercado de malandros de primeira linha, o que é muito bom para a vida.

Não posso negar que uma vitória no dominó, com o Garotinho, uma bela buchuda em alguém muito arengueiro no jogo, deixaria o dia completo, redondo, perfeito. Vamos ver.

13 comentários:

Keila Aquino disse...

Parabéns Samarone!
Que seus dias (especialmente o de hj) sejam maravilhosos!
Beijos.

Claudia disse...

Felicidades muitas, múltiplas e infinitas para você.

Beijos

Caracol disse...

hummm...se eu tivesse aí ía tomar essa cerveja contigo e o prof. davi... um beijo grande meu amigo e muita preguiça pra ti!!!

Anônimo disse...

Primeiro, parabéns para D.Ermira por ter feito vc desse jeito, sem igual.
Saúde e chance para vc, sempre.

Feliz aniverário!
Beijos
Naire

Ane disse...

A expressão não é minha, mas em razão do seu aniversário, vou tomar emprestado para dizer que por onde passa, e também por onde não passa, você vai construindo "pontes de benquerença". Que nasçam mais Samarones por esse Brasilzão de meu Deus! Bj, Ane.

Anônimo disse...

samarote, beijos grandes cabeludos e levemente desengonçados.

saudades
zizi

jamille disse...

Feliz aniversário Sama!!!

O melhor desta data é ter os amigos por perto pra comemorar e com a mãe junto, então, imagino que vc deve estar do jeito q gosta!
Aproveite bem muito.
Vê se faz um baião com pequi que fica tudo de bom! Outra preciosidade q vem da terrinha é o tal docec de buriti.. Minha mãe fica amiga na mesma hora de que tiver um! Beijos!

Mariana disse...

Parabéns, Sama! Não sabia que vc era taurino. Eu também... Um beijo.

fabiana disse...

tudo de bom, poeta!

Adri disse...

Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim, Sama! Espero que meu computador meia-boca tenha enviado minha cartinha, kkkkkk...

Sonia disse...

Pra começar, meus parabéns pela data. Depois um punhado de inveja, quanto presente, meu Deus! Tem até daqueles de dar água na boca.

Renilde Fraga disse...

Parabéns! E que venham mais 37 anos de dias completos, redondos e perfeitos, cheios de festas, realizações, muitos brilhos nos cabelos (e nas idéias). Imagino a festa linda que deve estar acontecendo aí no Poço: garapas, dominós e Dona Ermira para homenagear o habitante mais querido dessa aldeia. Aldeia que cura, aconchega e (pelos relatos) mais parece um oásis no turbilhão insensato desta cidade.

ps. o agradecimento foi também de uma beleza comovente.

Anônimo disse...

Feliz Aniversário, Samarone!
Claudia