sexta-feira, 2 de março de 2007

Pequenas coisas pequenas

Pequenas intimidades

Avisar que tem um pedaço de comida entre os dentes; tirar o farelo de pão da barba; usar o banheiro com a porta aberta; dizer sem meias palavras “o texto não ficou bom”; entregar uma cópia da chave da casa; ligar a cobrar no meio da noite, cheio de aperitivos; pegar o controle remoto como se a TV fosse sua; reclamar que está faltando algo na geladeira que não é sua; encher a garrafa d’água sem a pessoa pedir; avisar que o café está frio (e não beber, fingindo que ainda está quente); sussurrar coisas bonitas, em lugares improváveis; levar um pedaço do bolo de chocolate do aniversário da tia para aquela pessoa; ajudar a lavar as louças; não ficar preocupado com o chulé; oferecer o primeiro pedaço de algo delicioso; são tantas pequenas intimidades...

Pequena grosserias

Fechar o vidro do carro justamente no sinal; não olhar para a cara do sujeito que pede algo, em qualquer lugar; interromper uma conversa importante para atender as inúmeras chamadas do celular; ficar repassando email com “gracinhas” para um monte de amigos que não estão interessados em gracinhas; poesia ruim em papel bom; o mau-humor só porque alguém ligou errado para o seu número; falar alto em bibliotecas e livrarias; não respeitar o sofrimento de quem torce muito por um time (no dia em que o time perdeu); dizer “isso é besteira”, quando algo muito besta é importante para alguém; não saber escutar; não parar de falar; a ausência do “bom dia”, “boa tarde”, “obrigado”, “com licença”, “perdão”; não brigar pelo disco do Pixinguinha, em caso de separação; são tantas pequenas e grandes grosserias...


Pequenos mistérios

Uma vela acesa, em qualquer lugar cheio de silêncio; o barulho da reza de qualquer religião; a alegria do cão, antes da chegada do dono; uma senhora velha que chama para mostrar seu pé de jasmim florindo; o momento da criação, em qualquer artista; o silêncio que se segue ao arrebatamento, na arte; o silêncio dos que aprenderam a calar; um moleque com uma bola de futebol; pessoas que sabem agradecer; o perdão; uma mulher grávida de 9 meses; os poemas do Fernando Pessoa; o momento do brinde; a lua cheia de hoje, redonda como uma mulher grávida; uma mulher amamentando; são tantos pequenos mistérios...

Pequenas saudades

Saudades da língua portuguesa, quando a gente está longe do Brasil; do primeiro beijo; da farinha, quando chega o feijão; saudades de alguma turma especial, entre a 5a e a 8a série; do primeiro ou do último semestre na universidade; de quando usava o cabelo bem grande; de uma camisa muito antiga, do clube de coração; saudades do Recife, estando no Recife; do Recife, estando na Patagônia; das viagens com a família; daquele porre com o melhor amigo; do bar predileto que fechou; daquela viagem com a mochila nas costas e o espírito de aventura...

Aceita-se pequenos complementos.

23 comentários:

Pedro disse...

Saudade de amar, quando a gente percebe que o coração está esvaziado desde quando você esqueceu seu último amor.

Saudade de beijar, quando a gente descobre que os beijos são comuns mas que com paixão são infinitamente melhores.

Saudade de chorar de saudade

Andreia Santos disse...

saudades de ouvir uma voz maravilhosa, numa secretária eletrônica, após as centenas de toques do telefone...

saudade de encontrar na caixa de entrada do e-mail, aquela mensagem inesperada de uma pessoa muito especial...

ouvir uma música, sentir o cheiro da pessoa amada...

Light & Milk disse...

Que onda. Eu recebi um email de meu amigo Bernardo com um "post" seu daqui, dizendo para entrar num blog. Quando entro vejo que és tu, Samarone. Não sei se lembras ainda de mim, Hana, filha de Denys, tas lembrado? Adorei teu blog, os textos são mt bons! Li já muita coisa do teu histórico.
Um abraço

Bernardo disse...

saudade de sentir fome quando está de barriga muito cheia, ou de se sentir cansado só pra poder descansar mais uma vez.

Anônimo disse...

Adorei, adorei, Samarone!
Principalmente, das "pequenas intimidades" ou "das pequenas saudades".
Ah, gostei das "saudades" descritas pelo Pedro também.
abracos,
Claudia

Anônimo disse...

Ops...
Corrigindo:Principalmente, das "pequenas intimidades" e "das pequenas saudades".
Claudia

Beto Efrem disse...

Porra... lindo, lindo.

Anônimo disse...

"a intimidade nas cartas de amor que não precisam ser escritas...
a grosseria de não enviar cartas escritas com tanto amor...
... saudade de todas as cartas de amor."

seu texto, uma coleção de belezas imensas.
beijos
zi

Talita disse...

Um dos mais bonitos que já li no blog!

Samarone Lima disse...

Hana,claro que lembro de ti, a filha de Dênys, o meu mais querido mestre da UFPE.
Outro dia encontrei com Mary, anotei o telefone de Dênys pela décima vez e não perdi de novo.
Te vi muito pirralha, visse?
Beijos,
samarone

dulce disse...

Pequena-grande intimidade é ouvir junto com alguém especial uma música que lembra alguma coisa especial...

Uma pequena grosseria é esquecer do aniversário de quem lhe ama todo dia.

Pequena saudade de quando queria ser grande...

Um pequeno mistério é sentir-se criança, mesmo já tendo crescido.

Beijo, Sama.

luísa disse...

samarone! já comentei aqui há um tempão, não sei se você lembra... e tou aqui de novo pra falar mais uma vez como gosto dos teus textos :) coloquei um link pro teu blog lá no meu perfil do orkut, viss? :D
ah, sim.. eu sou irmã de julia kacowicz, tua aluna da católica de muitos tempos atrás, e já ouvi falar muito de você :)
beijo!

luisa disse...

ah, gostei muito do que dulce disse também :)

Anônimo disse...

Não sei se é Saudade ou Mistério : de um quase amor de ficou de acontecer e que insiste em querer "agoniar" de novo.
Bj,
MB

Anônimo disse...

complemento de Sophia de mello Breyner ou nuances de um mistério:

"Através do teu coração passou um barco
que não pára de seguir sem ti o seu caminho"

samarone, parabéns pela poesia à flor da pele.

Gustavo disse...

saudades de uma boca prestes a ser beijada, saudades de uma lágrima de alegria, saudades de um fim de tarde no deserto, saudades de um violino na estação de tren, saudades das nossas caminhadas pelas madrugadas frias de são paulo... saudades de tudo o que é simples e sensível...saudades de ser puro...

Anônimo disse...

ao mesmo tempo mistério e saudade do tempo, que nos dá a justa natureza das coisas.

Juliana disse...

acho que só tenho uma coisa dizer.
- menino, como tua sensibilidade me comove.

Anônimo disse...

Sama,
Não tenho como classificar:
abri o coração e mente para alguém que vc acaba de conhecer;acreditar no que lhe contam com lágrima e sorriso ao mesmo tempo;fotografar detalhadamente o quarto do filho que vai bater asas para o seu próprio ninho; apaziguar desentendidos; olhar no espelho e gostar do que ele reflete; ser inteira mesmo mutilada no corpo e na alma.
Beijo
Naire

keila aquino disse...

Uma deliciosa intimidade: falar bem perto do ouvido de alguém que gostamos palavras de carinho e bem querer:
Uma grosseria: esquecer de perguntar como foi o dia daquela pessoa que vc ama:
Um grande mistério: o amor... o amar...
Uma imensa saudade: qdo meus filhos estão longe de mim...

Poeta, vc se supera a cada dia.
Beijo no seu coração!

Capilé disse...

"...dessa saudade que eu sinto de tudo que eu ainda não vi..."

Renato Russo

Adoro esta frase.

Mary disse...

Saudade de um amor que ainda vai chegar...

Anônimo disse...

Amei Gustavo. Ops, ia dizer: amei, Gustavo!