sexta-feira, 9 de março de 2007

Pequenas contribuições para combater o efeito estufa

Agora que o mundo está derretendo e os esquimós têm que ir a um posto de gasolina comprar gelo para tomar seu whisquizinho, fiquei preocupadíssimo. Descobri que tenho que ajudar a salvar o mundo, antes que a vaca vá para o brejo, apesar de não ter nada contra o brejo, porque morei em Brejo Santo, uma cidade jóia.

Tomei algumas iniciativas para evitar que cidades como o Rio de Janeiro e Havana fiquem debaixo d´água, e que as florestas sejam tão devastadas, que não sobre nem madeira para fazer palitinho de dentes. Sim, amigos, apesar de ser contra a norma culta, eu adoro palitar os dentes depois do almoço.Só não fico tapando a boca com a mão, como mandam os manuais, porque faz mesmo é chamar a atenção.

Tomei iniciativas importante, que passo a compartilhar, esperançoso de garantirmos a vida por aqui pelo menos até o centenário do Santa Cruz, em 2017.

Consumo de água

Como vai faltar água geral, estou bebendo mais café, suco e derivados. Água mesmo, estou deixando para esse pessoal sem consciência, que não percebe que só temos 1% de água potável no mundo.

Só dou descarga depois de três xixis (não sei como se escreve xixi no plural, desculpem se estiver errado). Cada vez que faço xixi, sinto aquela fleuma, aquela alegria. No meu íntimo, vem a certeza: estou ajudando a salvar o planeta.

Estou também gastando 34% menos de água no banho, graças a uma solução doméstica, localizada no Alto José do Pinho. Cortei 34% dos cabelos. Além disso, passo sabonete mais rápido, para não gastar água.


Consumo de combustíveis fósseis

Vou do Cabo ao Recife duas vezes por semana, utilizando o Fiat Uno da minha tia Flocely. Para gastar menos, dou uma calibrada nos quatro pneus. Nunca entendi essa trapaça dos pneus, mas como naquele documentário sobre o fim do planeta dizem que é bom calibrar os pneus, não vou arranjar confusão para o meu lado.

No restante da semana, encaro o Centro do Cabo, uma viagem que me deixa exausto e mau-humorado, mas vocês devem entender que para salvar o planeta, a pessoa tem que se esforçar e contribuir.

Consumo de combustíveis não-fósseis

Para economizar gás, estou fritando ovo mal passado mesmo. Num mês, economizei 27% do gás daqui de casa. O microondas só uso na escola, para o café ficar mais quente. Só uso o ar-condicionado porque é desagradável dar aulas numa sala que fica parecendo uma sauna, com os alunos querendo esfolar vivo o professor, por causa de sua contribuição ao efeito-desestufa.

Já tem um bom tempo que só uso açúcar mascavo. Não tem nada a ver, mas fica registrado em ata. Aquele açúcar cristal é uma bomba. Cada colheradinha, abre-se uma cratera ali na Antártida, os pingüins são putos com aquele açúcar Estrela.

No próximo São João, vou cancelar minha tradicional fogueira, porque aquela lenha toda vai para o céu e acaba com as geleiras todas.

Estou em plena campanha junto aos amigos, para evitarem churrasquinhos nos finais de semana, batizados ou aniversário dos filhos. Aquele inocente carvão, vendido no posto de gasolina, é fruto de trabalho escravo e causou a devastação de 77 hectares na Amazônia. Cada espetinho assado no carvão, você está mordendo duas árvores.

Bem, tenho várias outras iniciativas, que gostaria de compartilhar, mas está escurecendo aqui no Cabo, e não quero utilizar a luz agora, para não aumentar o consumo. É horrível escrever no escuro.

Vou ali, tomar um banho rapidíssimo. Se a coisa continuar esquentando, terei que voltar aos primórdios, o famoso banho de balde.

Peço aos leitores que ajudem. O planeta está parecendo um sorvete nas mãos de uma criança, ao meio-dia, na Conde da Boa Vista.

11 comentários:

gustavo disse...

maravilhoso, absolutamente, maravilhoso.

mas de vez quando dá descargo com um xixi apenas, porra.

g

Magna disse...

Pois é, Sama, brincando brincando estamos mesmo é lascando (o nome é mesmo este) o nosso planetinha azul. A menos que Deus mude nossa "fisiologia", a coisa ficará feia pro nosso lado. Tenho fé nas crianças, estas sim poderão fazer alguma coisa. Nós, ignorantes que somos, ainda achamos que podemos derrubar árvores, que a água pode ser derramada abundantemente pela torneira, enquanto nos olhamos no espelho e tantas coisas mais...enfim, só mesmo Francisquinho (de Assis) para nos dizer tudo de novo, nos mostrar como se faz. Mas, enquanto ele não vem, vamos engrossando a campanha. Já estou dentro, só não entro na do xixi, viu. Por falar nisso, cadê as construtoras que ainda não aderiram a um projeto hidráulico, reaproveitando a água do banho e torneiras para a descarga?(vi outro dia na tv cultura um projeto realizado). Enfim, trabalhemos, pois foi chorando o leite derramado que a vaca foi pro brejo.A propósito, não foi para o nosso brejinho não, o nosso é santo, graças a Deus.Beijo grande.Magna.

Hana Luzia disse...

Samarone, você ensina em que escola? Meu blog não tem nada legal, mas passa lá pra ver minhas contradições, se puder. :p http://hanaluz.blogspot.com
meu pai mandou um abraço
e nosso telefone é 34450154

Dito disse...

deixei de soltar bufa, dizem q aumenta o efeito estufa.

Anônimo disse...

muito bons seus textos ! ja tinha ficado encantada com a tal descrição dos tambores na abertura do carnaval (achei perfeita a sua descrição - sou de salvador e este foi primeiro carnaval/primeira visita a recife). você é amigo de um amigo meu: fábio, psicologo de salvador. quando puder, mantenha contato: ana - aescorreia@yahoo.com.br

Joaquim Alves disse...

Sama,

Sama,
Parabéns pela iniciativa. Todo mundo precisa se conscientizar do problema do aquecimento global e fazer a sua parte. Como o beija-flor no incêndio da floresta.

A propósito, meu blog é dedicado à preservação do meio-ambiente. Faça uma visita e deixe o seu recado.

http://au.blog.360.yahoo.com/blog-PzqEEvc7cac1X.K8n1A-;_ylt=AveinGM0_gf4RO5i0q9YB.LkdeJ3?cq=1

Saudações ecológicas,
Joaquim Alves

Julio Vila Nova disse...

Sama, meu véi! Centenário do Santa em 2017 ? Tu tás confundindo com os 110 anos do registro da palavra Frevo na imprensa, né não?

Mary disse...

Olá!
Estou lendo seu livro, Estuário, e estou completamente maravilhada com a forma como vc usa as palavras, com sua delicadeza para perceber as coisas, com seu modo de dizê-las. Sinto muita pena em terminar o livro, mas agora descobri que poderei continuar lendo e admirando o que vc escreve. Estou no Recife há pouco mais de um mês e vim pra ficar. Também vi muitos lugares da forma como vc os descreveu, antes mesmo de ler seu livro. Já me apaixonei pela cidade.
Um abraço!

Capilé disse...

Está mais do que na hora de nós agirmos, nas pequenas atitudes do dia-a dia, reciclagem e tudo o mais que estiver ao nosso alcance e fora dele também. Sama, forma alegre de tratar um tema tão sério...NÃO AGUENTO MAIS TANTO CALOR. Na empresa que trabalho, teremos um projeto para arrecadar garrafas Pet's, espero contar com todos vcs. Quando iniciarmos aviso, abração.

Anônimo disse...

Joaquim Alves,
adorei seu blog, realmente muito construtivo. Pena que tão poucas pessoas pensem assim. Eduardo.

Joaquim Alves disse...

Peço permissão ao Sama para usar este espaço para fazer um agradecimento.

Caro Eduardo,
O tema do aquecimento global é mesmo muito sério. Cada um de nós pode amenizar esse problema com pequenas atitudes em nossos hábitos cotidianos. E também orientar outras pessoas. Com exemplos e conscientização.
Sds/Joaquim Alves
P. S. - Obrigado, Sama.